Notícias   |   Brasil

Cinco suspeitos detidos pelo assassinato de editor e político brasileiro

Também disponível em Español, English

Nova York, 8 de julho de 2011 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) saúda a prisão, no sábado, de cinco suspeitos do homicídio de Edinaldo Filgueira, editor de um jornal, político e blogueiro brasileiro, morto por pistoleiros não identificados em 15 de junho no município de Serra do Mel, no estado do Rio Grande do Norte, segundo as informações da imprensa.

Filgueira, de 36 anos, fundador e editor do jornal local Jornal o Serrano, saía do escritório tarde da noite quando foi alvejado por seis balas disparadas por três indivíduos que estavam em motocicletas, de acordo com o publicado pela imprensa brasileira. Ele morreu no local. Filgueira também era diretor regional do Partido dos Trabalhadores (PT) e escrevia um blog no qual criticava seus adversários políticos.

 

Agentes da polícia federal e da polícia local encontraram várias armas e uma grande quantidade de munição quando efetuaram as prisões, e disseram que os suspeitos seriam integrantes de um grupo de matadores de aluguel, conforme noticiou a imprensa.

 

Segundo divulgado pela imprensa, recentemente Filgueira havia publicado uma enquete crítica sobre o desempenho do governo local e, depois disso, recebido ameaças de morte. A polícia indicou que o crime teria sido motivado pelo trabalho informativo de Filgueira, de acordo com o noticiado pela imprensa.

 

"Saudamos a prisão de suspeitos do assassinato de Edinaldo Filgueira", afirmou o coordenador sênior do programa das Américas do CPJ, Carlos Lauría. "As autoridades brasileiras devem garantir que todos os envolvidos no assassinato, incluindo os autores intelectuais, sejam processados".

 

A violência letal contra a imprensa aumentou no Brasil em 2011, com dois jornalistas assassinados e um blogueiro ferido a tiros. Valério Nascimento, jornalista e proprietário de um jornal, foi assassinado a tiros em 3 de maio em frente a sua casa em Rio Claro, estado do Rio de Janeiro, de acordo com o apurado pelo CPJ. Em abril, Luciano Leitão Pedrosa, jornalista de rádio e televisão conhecido por sua cobertura critica de funcionários públicos e grupos criminosos locais, foi assassinado a tiros no estado de Pernambuco. Em março, o crítico blogueiro político Ricardo Gama foi gravemente ferido a tiros na cabeça, pescoço e peito por agressores não identificados quando caminhava por seu bairro, no Rio de Janeiro.

 

O Índice de Impunidade do CPJ demonstra que, nos últimos dez anos, cinco assassinatos de jornalistas permanecem sem solução. O Brasil retornou ao Índice este ano, depois de ter saído em 2010. Embora as autoridades brasileiras tenham conseguido algum êxito em processar assassinos de jornalistas e obtido várias condenações nos últimos anos, ainda existe uma persistente violência contra a imprensa no país.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho