Venezuela

Principais Acontecimentos

» A saúde do presidente, rodeada de mistério, deixa um cenário político incerto.

» Venezuela tenta enfraquecer o sistema interamericano de direitos humanos.

A poucos dias de sua reeleição, em outubro, o presidente Hugo Chávez Frías viajou a Cuba para se submeter a tratamento médico devido ao reaparecimento de um tipo não especificado de câncer, deixando o cenário político venezuelano em clima de incerteza no final de 2012. Chávez havia declarado durante a campanha que estava curado do câncer diagnosticado em 2011, ainda que os detalhes sobre seu estado de saúde fossem envoltos em mistério. No período que antecedeu as eleições, nas quais Chávez derrotou o candidato da oposição Henrique Capriles Radonsky, sua administração continuou a sistemática campanha contra os meios de comunicação críticos através do uso de legislação, ameaças, e medidas regulatórias, enquanto utilizava um ilimitado tempo de transmissão através de seu império de mídia estatal. A eleição intensificou o ambiente já polarizado: tanto jornalistas pró-governo quanto simpatizantes da oposição foram atacados enquanto cobriam os eventos da campanha eleitoral. A investida de Chávez contra a liberdade de imprensa se estendeu para além das fronteiras do país em 2012. A Venezuela fez parte de um bloco de países dentro da Organização dos Estados Americanos que trabalhou para desmantelar o sistema regional de proteção dos direitos humanos, incluindo a Relatoria Especial para a Liberdade de Expressão. O governo também anunciou a sua retirada da Convenção Americana sobre Direitos Humanos, o primeiro passo necessário para se desvincular dos dois organismos de direitos humanos da OEA.



  • 52%

    Apoio ao governo
  • 1

    Emissora de TV crítica
  • 2.334

    Cadenas, 1999-2012
  • 13

    Vítimas de hackers
 

Um levantamento feito pela Comissão Nacional de Telecomunicações (CONATEL) mostrou que pouco mais de 50 por cento dos meios de comunicação apoiava o governo, de acordo com a Espacio Público.


O panorama da mídia, de acordo com o estudo da CONATEL:

38.8% Aliados ao governo
13.2% Próximos ao governo
24.9% Apoiam a oposição
5.5% Equilibrados
17% Não identificados

 

 

A Globovisión é a única estação de televisão crítica ao governo que ainda está no ar. A emissora teve que enfrentar multas do órgão regulador, um fluxo de escárnio do governo, e violência direta contra sua equipe.


Emissora de TV crítica

U$2.16 milhões

Multa paga pela Globovisión depois de ser penalizada pela cobertura de um tumulto num presídio. Um recurso continuava pendente no final do ano. 

2

Jornalistas da Globovisión foram agredidos enquanto cobriam um comício da oposição.  O ato foi alvo de tiros disparados por pessoas vestidas com camisas vermelhas típicas dos partidários de Chávez, de acordo com o canal.

 

Chávez ocupou cerca de 1600 horas de programação audiovisual através do uso de cadenas, discursos presidenciais que todas as emissoras são obrigadas a transmitir, segundo o grupo local de liberdade de imprensa Espacio Público.


Controles governamentais sobre a informação pública:

2

Anos desde a última divulgação de taxas de homicídio.

3

Anos desde a divulgação de dados sobre a qualidade da água no país.

1

Liminar judicial proibindo reportagens sobre a água sem a utilização dos dados do governo.
 

Vários jornalistas tiveram suas contas de e-mail ou do Twitter atacadas por hackers em 2012, segundo a Espacio Público, em grande parte por um grupo governista chamado N33. Veículos de imprensa, tanto pró quanto contrários ao governo, também foram atacados.  Escritores, ativistas de direitos humanos, políticos de oposição, e funcionários do governo foram igualmente visados.


Vítimas de hackers na mídia:

6

Jornalistas

3

Meios de comunicação críticos

4

Meios de comunicação pró-governo
»
«
Cobertura Importante em 2012
 »
«




Slideshow: Ano em Fotos

Slideshow: Year in Photos