Notícias   |   Colombia

Autoridades descobrem complô para assassinar jornalista colombiano

Também disponível em English, Español

Bogotá, 15 de maio de 2013 - As autoridades devem levar à justiça todos os responsáveis por um suposto plano para assassinar um jornalista e dois analistas políticos que investigaram ligações entre políticos locais e crime organizado, disse hoje o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Andrés Villamizar, que dirige a Unidade Nacional de Proteção que supervisiona a proteção para os colombianos que foram ameaçados, disse a repórteres na terça-feira que um assassino havia sido contratado e pago para matar Gonzalo Guillén, jornalista investigativo independente que produziu documentários e também fez reportagens para o jornal El Nuevo Herald, de Miami. Dois analistas políticos, León Valencia e Ariel Ávila, que trabalham para a Fundação Paz e Reeconciliação, igualmente eram alvos na trama, segundo as reportagens. Valencia também é um conhecido colunista da revista Semana, de Bogotá.

As reportagens dão conta que na terça-feira as autoridades identidicaram o suposto assassino, que está foragido. Villamizar disse a repórteres que o suspeito tinha viajado a Bogotá para cometer o crime. Ele acrescentou que Guillén, Valencia, e Ávila estavam recebendo proteção do governo.

Valencia disse ao CPJ que o complô deve estar relacionado a uma investigação de 2011 que ele e Ávila realizaram para o Ministério do Interior e que ligava cerca de 130 candidatos a governador e a prefeito, no norte da Colômbia, a rebeldes de esquerda, traficantes de drogas e a outros grupos criminosos. Valencia também disse que Guillén estava investigando as mesmas questões para um documentário.

No passado, investigações jornalísticas sobre links entre políticos e crime organizado frequentemente levaram a processos criminais, o que possivelemnte provocaria ameaças, segundo Villamizar. "Na medida em que as acusações são divulgadas, geram mais ameaças, mas esse é o preço que os colombianos devem pagar", ele disse ao El Espectador.

"Condenamos veementemente a conspiração para assassinar Gonzalo Guillén, León Valencia e Ariel Ávila, que ocorre em meio ao ressurgimento da violência e das ameaças contra jornalistas nas últimas semanas", disse em Nova York o coordenador sênior do programa do CPJ para as Américas, Carlos Lauría. "As autoridades devem prosseguir com esta investigação até que todos os responsáveis sejam levados à justiça".

As ameaças surgem em um período difícil para os jornalistas colombianos. Em 5 de maio, oito repórteres do interior que cobriam os esforços de restituição de terras por parte do governo foram ameaçados por um grupo que lhes deu 24 horas para abandonar a cidade de Valledupar, no norte do país. Ricardo Calderón, que dirige a unidade de investigação da revista Semana, escapou por pouco de uma tentativa de assassinato em 1º de maio, de acordo com reportagens da imprensa.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho