Colombia

2011

Notícias   |   Colombia

Jornalista colombiano condenado à prisão por difamação

Nova York, 13 de outubro de 2011 - Luis Agustín González, fundador e editor do jornal mensal colombiano Cundinamarca Democrática, foi condenado a 20 meses de prisão com pena suspensa e multa de aproximadamente US$ 5.500 por um tribunal no departamento [estado] de Cundinamarca após ser condenado por calúnia e difamação, segundo as informações da imprensa. A sentença baseou-se em um editorial que González escreveu no qual questionava a candidatura de uma política local.

outubro 13, 2011 6:46 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Colombia

Jornalista provincial assassinado a tiros na Colômbia

Nova York, 5 de julho de 2011 - Luis Eduardo Gómez, jornalista colombiano independente que foi testemunha em um inquérito sobre vínculos entre políticos e grupos paramilitares, foi assassinado a tiros na quinta-feira em Arboletes, no departamento [estado] de Antioquia, segundo as informações da imprensa. O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) instou hoje as autoridades a investigar o assassinato de forma minuciosa e a processar os responsáveis.

julho 5, 2011 6:51 PM ET

Também disponível em
English, Español

Notícias   |   Colombia

Jornalista colombiano escapa após ser encharcado com gasolina

Nova York, 6 de janeiro de 2011 - O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) instou hoje as autoridades colombianas a investigar minuciosamente a tentativa de assassinato do diretor de uma emissora provincial de televisão na Colômbia. Mario Esteban López Ortega, conhecido por suas críticas às autoridades locais, escapou de uma tentativa de assassinato na terça-feira após ter sido sequestrado na cidade de Ipiales, departamento [estado] de Nariño.

junho 7, 2011 11:26 AM ET

Também disponível em
English, Español

Relatórios   |   Afeganistão, Bangladesh, Brasil, Colombia, Filipinas, Iraque, México, Nepal, Paquistão, Rússia, Somália, Sri Lanka, Índia

Crimes sem Castigo

O Índice de Impunidade do CPJ em 2011 destaca os países onde Jornalistas são assassinados e os responsáveis ficam livres

Calderón prometeu combater os crimes contra a imprensa, mas as ações têm sido lentas (Reuters/Henry Romero)

junho 1, 2011 12:01 AM ET

Também disponível em
English, Español, Français, Русский, العربية

Ataques contra a imprensa   |   Argentina, Brasil, Colombia, Cuba, Equador, Estados Unidos, Haiti, Honduras, México, Venezuela

Ataques à Imprensa em 2010: Análise Américas

Na América Latina, a volta da censura

O jornal venezuelano El Nacional deixa espaço em branco para uma imagem que o governo não permitiria. (Reuters/Jorge Silva)

Por Carlos Lauría

Como uma ilustre família de políticos no Estado do Maranhão no poder há mais de 40 anos, os Sarney estão acostumados a chegar a onde querem na vida pública brasileira. Assim, quando em junho de 2009 O Estado de S. Paulo, um dos principais jornais de circulação nacional, publicou denúncias que ligavam José Sarney, então presidente do Senado e ex-presidente do país, ao nepotismo e à corrupção, o clã político não ficou de braços cruzados. Os Sarney recorreram a um juiz em Brasília e conseguiram uma liminar contra O Estado, proibindo o jornal de publicar outras reportagens sobre as alegações. Dezoito meses depois, ao fim de 2010, a proibição continuava em vigor, apesar de críticas nacionais e internacionais.

fevereiro 15, 2011 12:54 AM ET

Também disponível em
English, Español

Ataques contra a imprensa   |   Colombia

Ataques à Imprensa em 2010: Colômbia

Principais Acontecimentos
• Lento progresso na investigação de espionagem ilegal contra jornalistas.
• Um jornalista assassinado. A violência letal diminuiu, mas o perigo permanece.

Estatística em Destaque
4: jornalistas do interior são forçados ao exílio devido a ameaças.


O presidente Álvaro Uribe Vélez terminou seus dois mandatos no cargo com um histórico contraditório no que se refere à liberdade de imprensa. As investigações do CPJ mostram uma queda na violência letal durante a sua administração: oito jornalistas foram mortos em represália direta ao seu trabalho nos dois primeiros anos de mandato, enquanto seis morreram durante os seis anos restantes. Como razões para o decréscimo, o governo citou um programa de proteção a jornalistas e uma melhoria geral na segurança.

fevereiro 15, 2011 12:40 AM ET
« 2010 | 2012 »