Notícias   |   Peru

Jornalista peruano morre após ser baleado

Também disponível em English, Español

Nova York, 8 de setembro de 2011 - Pedro Alfonso Flores Silva, jornalista peruano de televisão, morreu hoje em decorrência de ferimentos ocorridos quando um agressor não identificado disparou contra ele na noite de terça-feira, informou hoje a imprensa local.

"As autoridades peruanas devem investigar o brutal assassinato de Pedro Alfonso Flores Silva minuciosamente", declarou Carlos Lauría, coordenador sênior do programa das Américas do CPJ. "Os investigadores devem determinar se o assassinato ocorreu devido ao seu trabalho informativo e processar os responsáveis".

Flores Silva, de 36 anos, rumava para casa em sua moto pela rodovia Panamericana Norte na província de Casma, no noroeste do país, quando foi interceptado por um taxi, segundo as informações da imprensa. Um agressor encapuzado saiu da parte traseira do veículo e disparou contra seu abdômen, divulgou a imprensa. Flores Silva foi levado para um hospital onde morreu hoje.

Flores Silva era diretor do programa informativo "Visión Agraria" transmitido pelo Canal 6 de Casma. A esposa do jornalista, Mercedes Cueva Abanto, contou a repórteres que seu marido havia recebido ameaças anônimas de morte através de mensagens de texto por vários meses antes de seu assassinato. Ela disse acreditar que estas ameaças se originaram em acusações de corrupção contra Marco Rivero Huertas, prefeito do distrito Comandante Noel, que seu marido havia divulgado em seu programa. Rivero Huertas indicou à imprensa que não possuía nenhuma relação com o ataque, e que se "solidarizava com o ferido e sua família". 

Outro jornalista foi assassinado este ano no norte do Peru. Em maio, Julio Castillo Narváez, um crítico repórter de rádio, foi assassinado a tiros  enquanto almoçava na cidade de Virú. O CPJ está investigando o caso para determinar se o motivo está relacionado à profissão da vítima. A pesquisa do CPJ demonstra que doze jornalistas, incluindo Silva Flores, foram assassinados no país desde 1992, ao menos seis em represália direta por seu trabalho jornalístico.

Publicado

Gostou deste artigo? Apóie nosso trabalho